Até a última sexta-feira (18), quarenta e seis municípios aderiram ao modelo de privatização da Companhia Estadual de Águas e Esgotos do Rio de Janeiro (Cedae). O grupo corresponde a cerca de 90% da população do estado atendida pela empresa. 

Considerado a maior concessão privada do país, com investimentos que devem superar os R$ 33 bilhões, o leilão transfere a operação e ampliação das redes de água e esgoto para a iniciativa privada. 

Proposta de Orçamento do Governo para saneamento básico em 2021 é de R$ 694 bilhões

Senado aprova novo marco do saneamento e abre caminho para atrair investimentos privados no setor

Saneamento básico: “2033 é uma data muito otimista”, afirma presidente do Trata Brasil sobre universalização dos serviços de água e esgoto

De acordo com o Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social (BNDES), o projeto vai garantir a universalização da água nos municípios que aderirem em um prazo entre oito e 14 anos. Para o tratamento e coleta de esgoto, de 15 a 20 anos. 

Segundo Cláudio Castro, governador em exercício do Rio de janeiro, a privatização pode gerar 46 mil empregos em todo o’estado. O edital de concessão da Cedae deve ser divulgado em 30 de outubro. 

Fonte: Brasil 61