Por Anna Luisa Praser – Brasília

O vice-presidente, Hamilton Mourão, disse nesta segunda-feira (26) que a operação Verde Brasil 2 será prorrogada até abril do ano que vem.

A medida, que utiliza as Forças Armadas como reforço no combate aos incêndios na região amazônica, estava prevista para terminar em 6 de novembro.

De acordo com Mourão, a meta é garantir um ciclo de combate efetivo de desmatamento na Amazônia.

Sonora: “Nós precisamos prosseguir porque a gente quer entrar num ciclo virtuoso de queda do desmatamento. É o nosso compromisso que a gente tem que derrubar isso aí e para derrubar a gente tem que ter gente em campo, fiscalizando”.

A prorrogação deve ser assinada pelo presidente Jair Bolsonaro até o final da semana que vem. Segundo o vice-presidente, ainda restam cerca de R$ 180 milhões dos recursos destinados à operação, o que garante que ela possa ser estendida até 2021.

No entanto, o dinheiro precisa ser alocado ainda este ano, já que pertence ao orçamento previsto para 2020.

Na próxima terça-feira está prevista mais uma reunião do Conselho Nacional da Amazônia. Na pauta, está marcada a participação do ministro do Meio Ambiente, Ricardo Salles, que deve falar sobre a situação do Ibama.

O vice-presidente comentou sobre o desfecho do desentendimento entre Salles e o ministro-chefe da Secretaria de Governo, Luiz Ramos.

Segundo o relato de Mourão, Bolsonaro convidou os dois para um almoço na sexta-feira, para colocar fim ao mal-estar entre os dois ministros.

Mourão julgou como acertada a intervenção de Bolsonaro para garantir o respeito e acalmar os ânimos. A situação se refere ao recente desabafo de Ricardo Salles nas redes sociais e à orientação do ministro para que cerca de 1.400 agentes de combate a incêndios do Ibama, que estavam em campo, retornassem à base na última quinta-feira (22) como forma de pressionar a liberação de R$ 134 milhões destinados ao Ministério do Meio Ambiente e que estavam bloqueados.