Brasil está analisando casos suspeitos de reinfecção por Covid-19

Ao longo dos meses, vêm ganhando força histórias sobre a possibilidade de uma pessoa que já foi infectada e curada de Covid-19 poder ficar novamente doente por causa do vírus. Mais que um boato, por alguns lugares do mundo já foram identificados casos de reinfecção pelo coronavírus e muitos estudos estão em andamento para tentar responder a novas perguntas trazidas pela doença.

Esses casos, até então considerados raros, tem gerado debates entre especialistas e médicos e levanta questionamentos a respeito da imunidade – que serve, inclusive, como argumento fundamental para algumas teorias como a “imunidade de rebanho”.

De acordo com a Nota Técnica 52/2020, divulgada pelo Ministério da Saúde no final de outubro, “recentes estudos publicados admitem a possibilidade de reinfecção pelo vírus SARS-CoV-2 em um curto período de tempo. A analogia com outros vírus semelhantes indica que a hipótese de reinfecção é plausível”. O documento segue reconhecendo casos suspeitos de reinfecção por parte das vigilâncias de alguns estados no Brasil, que descrevem intervalos de tempo bastante variáveis entre as duas possíveis infecções.

Procurado pela reportagem, o Ministério da Saúde informou que tem prestado apoio às equipes de vigilância das secretarias estaduais e municipais de saúde envolvidas na investigação de supostos casos de reinfecção por Covid-19 e que, até o momento, não há casos confirmados no Brasil. Os supostos casos de reinfecção estão sendo acompanhados pelo Ministério da Saúde, com apoio de especialistas dos Laboratórios de Referência Nacional (Fiocruz, Instituto Adolfo Lutz e Instituto Evandro Chagas).



De acordo com Alessandro Chagas, que é assessor Técnico do Conselho Nacional de Secretarias municipais de Saúde (CONASEM), está sendo realizada uma extensa avaliação nos casos de Covid-19 por todo o Brasil, com atenção especial na cadeia de informações que aproxima as informações nacionais com os dados de cada município.

“Pelo próprio sistema que tem hoje, o e-SUS Notifica que é por onde a gente já notifica as infecções, temos como acompanhar os casos de reinfecção. O Conasems representa os municípios no âmbito da tripartite em Brasília e tem uma articulação semanal com a representação nos estados, chamados de Cosems, e a gente conversa em relação a questões do enfretamento à pandemia. Essa articulação é rápida e precisa, então com essa rede nós conseguimos fazer essas informações chegarem nas secretarias [de Saúde] dos 5.570 municípios”, destacou o técnico do Conasem.

Covid-19: Vacina precisará de cuidados durante envio a Estados e Municípios

Sebrae lança série de ilustrações educativas para orientar empresários na reabertura das atividades

Por isso, a suspeita de reinfecção vai partir dos laboratórios e centros que estão analisando as testagens, conforme orientação do Ministério da Saúde, na Nota Técnica 52/2020, no sentido de ampliar a chances de identificar um caso suspeito com maior rapidez. A população pode receber assistência em centros de referência no âmbito do enfrentamento à Covid, sendo que atualmente existem 3.395 centros em funcionamento no país: 3.265 Centros de Atendimento e 130 Centros Comunitários de Referência.

Para o médico e diretor Científico da Sociedade de Infectologia do Distrito Federal, Jose David Urbaez, esses casos de reinfecção são muito raros e pouco representativos para que se possa tomar conclusões. “Dos casos que já foram comprovados e que foram escritos, você tem todo tipo de possibilidades. Você tem pessoas com um primeiro episódio muito grave ou sério e que, depois, tiveram um segundo episódio com sintomas mais brandos, mais leves. Também tiveram pessoas que em um primeiro episódio apresentaram quadro clínico mais leve e que tiveram uma segunda infecção mais grave. Então, o que é bem claro é que tratar, abordar e descrever a situação em relação a reinfecção é, ainda, um conhecimento que está em construção”, explicou.  

Fonte: Brasil 61

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *