Programa vai gerar renda ao produtor rural que preservar meio ambiente

Por Leandro Martins – Repórter da Rádio Nacional – Brasília

Em cerimônia no Palácio do Planalto, nesta sexta-feira (01), o presidente Jair Bolsonaro assinou o decreto da Cédula de Produto Rural Verde – CPR Verde. Trata-se de uma nova alternativa de mercado para as empresas interessadas em compensar a emissão de gases de efeito estufa que provocam.

Com a CPR Verde, o produtor rural poderá ter uma fonte de renda extra, se implementar ações de preservação ambiental na própria área, como investimento em conservação e aumento da biodiversidade, de recursos hídricos e do solo.

O decreto traz a relação dos produtos que podem receber as CPRs Verdes, para compensar o produtor rural que contribuir com as iniciativas.

Durante a solenidade, o ministro da Economia, Paulo Guedes, disse que “o futuro é verde” e ressaltou que a produção rural pode e deve ser combinada com a proteção ambiental. A ideia, segundo o ministro, é oferecer pagamentos pela preservação ambiental.  

O subsecretário de política agrícola do Ministério da Economia, Rogério Boéri, explica como vai funcionar o pagamento por serviços ambientais por meio da CPR Verde. Segundo ele, o reflorestamento de uma área pode gerar uma CPR Verde que garanta uma monetização para o usuário. 

A CPR Verde vai ser financiada por empresas privadas, de acordo com o secretário de Política Econômica do Ministério da Economia, Adolfo Sachsida. Segundo ele, é um mercado voluntário para investir em créditos de carbono visando o lucro a partir do reflorestamento das matas.

Segundo estudo mencionado pelo Ministério da Economia, existe um potencial de 30 bilhões de reais de investimentos, em quatro anos, na recuperação do meio ambiente, a partir de créditos de carbono das florestas brasileiras.

Edição: Bianca Paiva / Guilherme Strozi

Fonte:

https://agenciabrasil.ebc.com.br/

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.